Em meio a pandemia, a perseguição aos cristãos na Índia se intensificou. Instituições internacionais como a Portas Abertas e a Aliança Evangélica Mundial denunciaram o uso de fake news para condenar os cristãos e muçulmanos no país.

O recente relatório semestral de 2021 sobre ódio e violência contra cristãos, da Comissão de Liberdade Religiosa da Evangelical Fellowship of India (EFI), registrou um total de 145 incidentes de perseguição religiosa, incluindo três assassinatos.

De acordo com o documento, durante o primeiro semestre deste ano, grandes forças se levantaram para acabar com a presença de cristãos no país, com várias discussões e declarações sobre as formas de conter o “padri” – palavra hindi usada para designar cristão, pastor ou clero.

“Os incidentes e as ameaças ocorreram enquanto o país, ainda se recuperando do impacto da primeira onda da pandemia do coronavírus, foi atingido novamente pela segunda onda, que atingiu o país, especialmente as cidades metropolitanas, incluindo a capital nacional Nova Delhi”, acrescentou o relatório.

Campanha para acabar com cristãos e muçulmanos

Segundo a EFI, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, juntamente com outros membros do seu partido, Bharatiya Janata Party (BJP), se reuniram em secreto para lançar a campanha “Uma Índia libertada do Chadar”. Chadar é uma folha que simboliza os muçulmanos e padres cristãos.

Por causa disso, a violência foi “cruel e generalizada”, segundo o estudo. Várias igrejas foram atacadas, houve assassinatos, conivência policial, casos falsos e uma exclusão social dos cristãos que se espalhou por todo canto.

“A violência contra os cristãos por atores não estatais na Índia origina-se de um ambiente de ódio direcionado . A tradução do ódio em violência é gerada por uma sensação de impunidade gerada no aparelho administrativo da Índia ”.

Além disso, a Índia possui as chamadas leis de anticonversão, que pune de forma rigorosa conversões forçadas, mas na prática é usada para criminalizar qualquer conversão. No relatório de 2019 da EFI 366 casos de denúncias foram registrados, segundo o Evangelical Focus.

Fonte: GospelPrime

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.