A nova lei proíbe indivíduos e organizações de postar informações religiosas na Internet

China baniu “Cristo” e outras palavras religiosas de aplicativos de mídia social sob uma nova política que entrou em vigor em 1º de março. De acordo com um novo relatório, a política também exige licenciamento e treinamento para postar conteúdo cristão e religioso na internet.

A nova lei do Partido Comunista Chinês – apelidada de “Medidas para a Administração de Serviços de Informações Religiosas da Internet” – proíbe indivíduos e organizações de postar informações religiosas na Internet, a menos que tenham obtido permissão de um departamento do governo provincial, de acordo com a China Aid, que monitora a liberdade religiosa no país.

A Early Rain Covenant Church, uma congregação chinesa, descobriu recentemente o impacto de longo alcance da nova lei. Usando o aplicativo de mensagens WeChat, um membro da igreja tentou postar os nomes de oito livros para membros de um grupo de leitura, pedindo que votassem em seu favorito. Entre os títulos: A Defesa da Fé de Cornelius Van Til, Tradição e o Talento Individual de TS Eliot e A Imitação de Cristo de Thomas à Kempis.

Mas o aplicativo WeChat rejeitou a postagem, dizendo que a palavra “Cristo” não era permitida.

“A palavra ‘Cristo’ que você está tentando publicar viola os regulamentos dos Serviços de Informações da Internet, incluindo, mas não se limitando às seguintes categorias: pornografia, jogos de azar e abuso de drogas; marketing excessivo; incitamento.”

O problema só poderia ser resolvido editando a postagem, o que o membro da igreja fez.

“Infelizmente, o administrador do grupo teve que substituir parte da palavra ‘Cristo’ para passar a censura”, disse a China Aid.

O grupo de vigilância também observou que, sob a nova lei, indivíduos e organizações devem passar por treinamento do governo e obter uma “Licença de Serviço de Informações Religiosas na Internet” para postar informações religiosas na Internet. No entanto, mesmo assim, o conteúdo deve estar de acordo com as crenças do Partido Comunista Chinês sobre religião e governo.

“Qualquer pessoa que publique conteúdo com o objetivo de ‘incitar o poder do Estado usando a religião’, ‘objetar a liderança do Partido Comunista Chinês’, ‘obstruir o sistema do socialismo’, ‘prejudicar a reunificação nacional’ ou ‘prejudicar a unidade de vários grupos étnicos’ e estabilidade social’ serão punidos”, informou a China Aid.

Fonte: FolhaGospel

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.