A China é o país onde os ataques às igrejas mais acontecem, marcando 90% de todos os registros do mundo.

Logo, os ataques aos prédios religiosos variam desde a remoção de cruzes até a demolição completa do templo.

Entre 1 de outubro de 2019 a 30 de setembro de 2020, foram registrados 3.088 ataques em igrejas na China.

Apesar do resultado anterior ter sido maior (5.576 ataques), as igrejas continuam sendo afetadas atualmente.

 

De acordo com a Portas Abertas, a soma total das últimas pesquisas apontou pelo menos 8.644 igrejas prejudicadas.

Devido a criação da campanha “Três correções e uma demolição” no final de 2013 na província de Zhejiang, o número de ataques às igrejas na China aumentou.

Ao que tudo indica, um alto funcionário do Partido Comunista da China (PCCh)

teria ido para a capital Wenzhou e viu cruzes por toda a parte.

Depois que ele compartilhou sua decepção, a campanha foi determinada.

Perseguição religiosa aumenta na China

Assim, em abril de 2014 a primeira demolição pública da cruz e depois do edifício inteiro de uma igreja em Sanjiang aconteceu.

Foi a partir desse momento que os números de ataques às igrejas subiram exponencialmente.

Seguem os números simbólicos registrados, lembrando que eles são muito maiores do que o total real:

300 igrejas atacadas em 2015, 1500 em 2016, e de 2 mil a 3 mil para os anos de 2017, 2018 e 2019 respectivamente.

Se formos somar todos os ataques desde 2015, mais de 18 mil igrejas foram afetadas pelo governo chinês.

Vamos continuar orando pela China e para que Deus fortaleça a  dos nossos irmãos chineses.

Fonte: GospelPrime

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.