Pastor e ativista pelos direitos civis, Martin Luther King Jr. completaria 93 anos, em 15 de janeiro. Para marcar a data, artistas cristãos estão destacando e relembrando o legado de MLK, assassinado em 4 de abril de 1968, em Memphis [Veja minibiografia abaixo].

O ministro batista americano liderou muitos americanos no movimento dos direitos civis, muitas vezes pregando em seus discursos sobre injustiça racial.

Seu filho vivo mais velho, Martin Luther King III, tornou-se um defensor dos direitos humanos e líder cristão. Ele passou o dia discutindo a supressão de eleitores.

O rapper e cantor Lecrae compartilhou um post de sua própria gravadora, Reach Records, em agradecimento a MLK por “avançar a causa da justiça e do Reino de Deus”.

Maverick City Music, cujos membros são todos negros, compartilhou uma citação de MLK em sua conta oficial do Instagram.

CeCe Winans, a cantora de “We Believe For It”, compartilhou a conexão da música com MLK no Instagram.

“Cada geração tem memórias, histórias e valores que deseja transmitir para a próxima geração”, escreveu a artista. “Grata pelo exemplo de fé de Martin Luther King Jr. para as próximas gerações”.

A Elevation Worship limpou sua página do Instagram, deixando seus 1,9 milhão de seguidores com maneiras de pegar a tocha de MLK.

Tauren Wells contou com a ajuda de um designer gráfico para homenagear MLK na segunda-feira.

“Enquanto honramos e refletimos sobre a vida, a mensagem e o legado do Dr. King, vamos também considerar como todos podemos nos mover para ver uns aos outros, ouvir uns aos outros e amar uns aos outros”, escreve Wells no Instagram.

QUEM FOI MLK

Martin Luther King Jr., nome original Michael King Jr., nasceu em 15 de janeiro de 1929, em Atlanta, Geórgia (EUA). Ele era de uma família de classe média confortável, mergulhada na tradição do ministério Negro do Sul: tanto seu pai quanto seu avô materno eram pregadores batistas.

Seus pais tinham formação universitária, e o pai de King sucedeu seu sogro como pastor da prestigiosa Igreja Batista Ebenezer, em Atlanta. A família morava na Auburn Avenue, também conhecida como “Sweet Auburn”, a movimentada “Black Wall Street”, lar de algumas das maiores e mais prósperas empresas negras do país e igrejas negras nos anos anteriores ao movimento pelos direitos civis.

Ele foi ministro batista e ativista social que liderou o movimento pelos direitos civis nos Estados Unidos desde meados da década de 1950 até sua morte por assassinato em 1968. Sua liderança foi fundamental para o sucesso desse movimento em acabar com a legalização da segregação de afroamericanos no Sul e em outras partes dos Estados Unidos.

King ganhou destaque nacional como chefe da Conferência de Liderança Cristã do Sul, que promoveu táticas não violentas, como a maciça Marcha sobre Washington (1963), para alcançar os direitos civis. Foi agraciado com o Prêmio Nobel da Paz em 1964.

Preconceitos

Sua educação segura, no entanto, não impediu King de experimentar os preconceitos então comuns no sul. Ele nunca esqueceu a época em que, por volta dos seis anos, um de seus companheiros brancos anunciou que seus pais não permitiriam mais que ele brincasse com King, porque as crianças agora frequentavam escolas segregadas.

A mais querida de King nesses primeiros anos era sua avó materna, cuja morte em 1941 o deixou abalado e instável. Chateado porque soube de seu ataque cardíaco fatal enquanto participava de um desfile sem a permissão de seus pais, King, de 12 anos, tentou suicídio pulando de uma janela do segundo andar.

Em 1944, aos 15 anos, King ingressou no Morehouse College, em Atlanta, sob um programa especial de guerra destinado a aumentar as matrículas, admitindo estudantes promissores do ensino médio como King. Antes de começar a faculdade, porém, King passou o verão em uma fazenda de tabaco em Connecticut; foi sua primeira estadia prolongada longe de casa e sua primeira experiência substancial de relações raciais fora do Sul segregado.

Ele ficou chocado com a forma como as raças se misturavam pacificamente no Norte. “Negros e brancos vão [para] a mesma igreja”, observou ele em uma carta a seus pais. “Nunca pensei que uma pessoa da minha raça pudesse comer em qualquer lugar.” Esta experiência de verão no Norte apenas aprofundou o ódio crescente de King pela segregação racial.

Em Morehouse, King preferia os estudos de medicina e direito, mas estes foram eclipsados ​​em seu último ano por uma decisão de entrar no ministério, como seu pai havia insistido. O mentor de King na Morehouse foi o presidente da faculdade, Benjamin Mays, um ativista do evangelho social cuja rica oratória e ideias progressistas deixaram uma marca indelével no pai de King.

Comprometido com a luta contra a desigualdade racial, Mays acusou a comunidade afroamericana de complacência diante da opressão, e incitou a igreja negra à ação social criticando sua ênfase no futuro em vez do aqui e agora; foi um chamado ao serviço que não passou despercebido ao adolescente. Ele se formou em Morehouse em 1948.

Casamento

Em Boston, King conheceu Coretta Scott, nascida no Alabama que estudava no Conservatório de Música da Nova Inglaterra. Eles se casaram em 1953 e tiveram quatro filhos. King era pastor da Igreja Batista Dexter Avenue em Montgomery, Alabama, pouco mais de um ano quando o pequeno grupo de defensores dos direitos civis da cidade decidiu contestar a segregação racial no sistema de ônibus público da cidade após o incidente de 1º de dezembro de 1955, em que Rosa Parks, uma mulher afroamericana, recusou-se a entregar seu assento de ônibus a um passageiro branco e, como consequência, foi presa por violar a lei de segregação da cidade.

Os ativistas formaram a Associação de Melhoria de Montgomery para boicotar o sistema de trânsito e escolher King como seu líder. Ele tinha a vantagem de ser um homem jovem e bem treinado que era novo demais na cidade para ter feito inimigos; ele era geralmente respeitado, e pensava-se que suas conexões familiares e posição profissional lhe permitiriam encontrar outro pastorado caso o boicote falhasse.

Conferência de Liderança Cristã do Sul

Reconhecendo a necessidade de um movimento de massa para capitalizar a ação bem-sucedida de Montgomery, King começou a organizar a Conferência de Liderança Cristã do Sul (SCLC), que lhe deu uma base de operação em todo o Sul, bem como uma plataforma nacional para falar.

King deu palestras em todas as partes do país e discutiu questões relacionadas à raça com líderes religiosos e de direitos civis em casa e no exterior. Em fevereiro de 1959, ele e seu partido foram recebidos calorosamente pelo primeiro-ministro da Índia, Jawaharlal Nehru, e outros.

Como resultado de uma breve discussão com seguidores de Gandhi sobre os conceitos gandhianos de descumprimento pacífico (satyagraha), King ficou cada vez mais convencido de que a resistência não-violenta era a arma mais potente disponível para as pessoas oprimidas em sua luta pela liberdade.

King também buscou inspiração na África. “A luta de libertação na África tem sido a maior influência internacional individual sobre os estudantes negros americanos”, escreveu ele. “Frequentemente eu os ouço dizer que se seus irmãos africanos podem quebrar os laços do colonialismo, certamente o negro americano pode quebrar Jim Crow.”

Em 1960, King e sua família se mudaram para sua cidade natal, Atlanta, onde se tornou copastor com seu pai da Igreja Batista Ebenezer. Nesse posto, ele dedicou a maior parte de seu tempo ao SCLC e ao movimento dos direitos civis, declarando que “chegou o momento psicológico em que um esforço concentrado contra a injustiça pode trazer grandes ganhos tangíveis”.
Prisão

Sua tese foi logo testada quando ele concordou em apoiar as manifestações realizadas por estudantes universitários negros locais. No final de outubro, ele foi preso com 33 jovens protestando contra a segregação no balcão do almoço em uma loja de departamentos de Atlanta.

As acusações foram retiradas, mas King foi condenado a Reidsville State Prison Farm sob o pretexto de que ele havia violado sua liberdade condicional por um pequeno delito de trânsito cometido vários meses antes.

O caso assumiu proporções nacionais, com preocupação generalizada com sua segurança, indignação com o desrespeito das formas legais da Geórgia e o fracasso do Pres. Dwight D. Eisenhower para intervir.

King foi libertado apenas por intercessão do candidato presidencial democrata John F. Kennedy — uma ação tão amplamente divulgada que foi considerada como tendo contribuído substancialmente para a escassa vitória eleitoral de Kennedy oito dias depois.

Discurso I Have a dream (Eu Tenho um Sonho)

Em 1963, sua luta alcançou um dos momentos culminantes, ao liderar a Marcha sobre Washington, que reuniu 250 mil pessoas, quando fez seu importante discurso intitulado I Have a dream (em português, Eu tenho um sonho), onde descreve uma sociedade, onde negros e brancos possam viver harmoniosamente.

Nesse mesmo ano, Martin Luther King e outros representantes de organizações antirracistas foram recebidos pelo presidente John Fitzgerald Kennedy, que se comprometeu agilizar sua política contra a segregação nas escolas e a questão do desemprego que afetava de modo especial toda a comunidade negra. No dia 22 de novembro de 1963, o presidente foi assassinado.

Em 1964, foi criada a Lei dos Direitos Civis, que garantia a tão esperada igualdade entre negros e brancos. Nesse mesmo ano, Martin Luther King recebeu o Prêmio Nobel da Paz.

Fonte: Guiame

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.